Suplementos   Editorial   Portal do Assinante   Caderno2   Cidades   Economia   Esportes   Geral   Internacional   Nacional 
Domingo, 13 de outubro de 2002

Trajetória familiar une-se à história do bairro

A história do Sítio Itaim - como a trajetória do bairro - está ligada à família Couto de Magalhães. Político da época do Império, o general José Vieira Couto de Magalhães adquiriu a casa em meados do século 19.

Anteriormente, o terreno havia passado pelas mãos de quatro proprietários.

Para formar o sítio, Magalhães arrematou, em 1896, 120 alqueires de capoeiras e restingas, 80 de pastos e 30 alqueires de terras cultivadas.

Segundo um mapa da época, o sítio se estendia das margens do Rio Pinheiros até onde mais tarde viria a ser construído o Parque do Ibirapuera, hoje um dos principais pólos de lazer da zona sul de São Paulo.

Herança - O general morreu solteiro, em 1898, e deixou o lugar para o sobrinho, Leopoldo Couto de Magalhães, cujo apelido era Bibi. A conjugação do nome da propriedade com o apelido acabaria por compor mais tarde a denominação do bairro. A influência do general e de sua propriedade cunharia também nomes de vias do Itaim - bairro que se formou nas décadas de 20 e 30 do século passado. A Rua Iaiá, por exemplo, adota o nome de uma tia do general. Amauri, que ganhou rua, também pertencia ao clã.

Até mesmo um escravo alforriado do general, João Cachoeira, empresta seu nome a uma das mais movimentadas e principais vias dessa região.

Tanta reverência não foi à toa. Segundo um documento preparado pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Artístico, Arqueológico e Turístico do Estado de São Paulo (Condephaat), que recompõe sua vida, o general Couto de Magalhães presidiu diversas províncias no período imperial, foi deputado-geral e conselheiro de Estado. Também atuou como o último conselheiro de São Paulo durante o regime monárquico. Além de político, era um homem de cultura refinada. Foi escritor e lingüista. Falava quatro línguas, além do português: inglês, francês, espanhol e tupi-guarani.

Loteamento - Anos após a morte do tio, Leopoldo começou a lotear a propriedade, na época com mais de 200 mil metros quadrados. Surgiram as glebas que se tornariam o bairro. Entre 1918 e 1921, a casa foi alugada para religiosas e, em seguida, para o homeopata Brasílio Machado. Este, em 1927, criou e instalou no local o Sanatório Bela Vista, que só fechou as portas em 1980. Daí, começou a degradação que ninguém, nos 22 anos que se seguiram, conseguiu deter. (M.M.S.)




anterior
Escondida, casa bandeirista ameaça ruir
próxima
Colisão entre ônibus e carreta mata 19 em Assis
índice de notícias
cidades
capa Estado
imprimir   enviar comentário
 Pesquisa   Colunistas   Especiais   Manual de Redação   Clube do Assinante  English  Expediente 

|  a magia do cinema   |  arte digital   |  agrícola   |  assine já   |  astral   |  autos   |  banco de talentos   |  bossa nova   |  casa & família   |  classificados   |  clube do assinante   |  colunistas   |  editoriais   |  english   |  espaço aberto   |  especiais   |  estadinho   |  estadão na escola   |  expediente   |  fale conosco   |  feminino   |  fórum de debates   |  fórum de discussões   |  fórum dos leitores   |  guia caderno 2   |  história do grupo oesp   |  índice de notícias   |  informática   |  loterias   |  manual de redação   |  mapa do site   |  o melhor de calvin   |  pesquisa   |  previsão do tempo   |  quadrinhos   |  redescobrindo o brasil   |  são paulo reclama   |  suas contas   |  suplementos   |  telejornal   |  viagem   |

Copyright © 2003 O Estado de S. Paulo. Todos os direitos reservados